Crânio, Coluna e Trauma

 

Abcesso cerebral

Infecção cerebral localizada e grave. Resulta da disseminação de bactérias, fungos ou outros micro-organismos pelo sangue a partir de um ferimento na pele, abcessos ou punções de veias. Também pode ser complicação das meningites, sinusites, cirurgias ou traumatismos cranianos. Os idosos, diabéticos, usuários de drogas e alcoólatras, pessoas debilitadas e ou com a imunidade comprometida são as mais susceptíveis. O tratamento requer o uso de antibióticos por várias semanas, punção e ou retirada cirúrgica do abcesso para identificação do agente e alívio da pressão intracraniana. A possibilidade de sequelas ou óbito é elevada se não tratado rapidamente.

Abcesso epidural

Abcesso epidural é uma infecção grave localizada no espaço existente entre a duramáter (membrana que protege o cérebro e a medula) e os ossos das vertebras ou do crânio. O mecanismo da infecção, as pessoas de maior risco e o tratamento são semelhantes ao dos abcessos cerebrais.

Afundamento e fratura de crânio

As principais causas de fratura são as quedas, as agressões, as colisões, os acidentes de trânsito ou trabalho e os ferimentos por arma de fogo. O afundamento ocorre quando há desalinhamento dos ossos fraturados. O tratamento envolve cirurgia sempre que o osso estiver exposto ou o desalinhamento for maior que a espessura do crânio.

Canal estreito

É um estreitamento do espaço no interior do canal vertebral. Esse espaço existe ao longo de toda a coluna vertebral e dá passagem e proteção a medula e aos nervos espinhais. A pessoa já pode nascer com o diâmetro do canal menor ou a estenose é adquirida durante a vida devido ao envelhecimento, presença de protrusões e hérnias de disco, hipertrofia de articulações e ligamentos ou artrose. Muitas vezes ele é assintomático, mas pode ser causa de dor, fraqueza e alterações na sensibilidade, especialmente após a pessoa andar alguns metros. Casos mais graves apresentam rigidez e perda de controle dos esfíncteres. A doença pode ficar estável por anos ou ser progressiva, necessitando de tratamento cirúrgico. A cirurgia envolve a ampliação do canal vertebral e a descompressão das estruturas nervosas e vasculares.

Cervicalgia

As dores no pescoço e região dorsal são sintomas frequentes e, na maioria das vezes, refletem problemas mecânicos relacionados a esforços físicos em atividades domésticas, esportivas ou profissionais, postura inadequada, imobilidade, falta de condicionamento físico ou o envelhecimento. O diagnóstico adequado e a orientação correta são fundamentais para o alívio dos sintomas e prevenção de complicações. . A maioria dos casos não requer um tratamento cirúrgico. * Um especialista deve ser consultado sempre que houver história de traumatismos, febre, perda de peso, câncer, osteoporose, diminuição de força ou sensibilidade.

Cisto colóide do terceiro ventrículo

É um tumor benigno localizado no centro do cérebro (terceiro ventrículo). Eles e são esféricos, cheios de material gelatinoso e espesso e a sua etiologia é incerta. Podem causar hidrocefalia e os sintomas geralmente ocorrem após os 20 anos. Se menores que 7 mm e na ausência de hidrocefalia, podem ser seguidos com exames de imagem seriados. O tratamento envolve a ressecção cirúrgica, preferencialmente com endoscopia ou estereotáxia.

Cisto de aracnóide

São lesões expansivas benignas, tipicamente cheias de um liquido claro, incolor que lembra o liquor. A sua etiologia é controversa, entretanto envolve o mau desenvolvimento das membranas que envolvem e protegem o cérebro, comprometendo o fluxo liquórico. Em geral são assintomáticos e não necessitam de tratamento. Quando causam sintomas o tratamento é a sua ressecção ou abertura de suas paredes com cirurgia convencional ou endoscopia para a drenagem do seu conteúdo. Se o tratamento não for efetivo a opção é a colocação de uma válvula.

Contusão cerebral

A contusão cerebral é decorrente de traumatismos diretos e violentos sobre o crânio ou acidentes com alta energia cinética. O tecido cerebral é machucado pelo trauma direto ou pela tendência de se manter em movimento e colidir contra as estrutura ósseas. Em uma contusão há destruição e morte de tecido cerebral, hemorragias e inchaço. O tratamento consiste na prevenção da hipertensão intracraniana e no desenvolvimento de novas lesões. Em alguns casos deve-se monitorizar a pressão intracraniana, o metabolismo e da circulação cerebral para o manejo adequado que pode envolver a ressecção cirúrgica da área contusa.

Discite

É a infecção rara que acomete o disco intervertebral da coluna. Ocorre principalmente em pessoas diabéticas, usuárias de drogas ou alcoólatras, severamente doentes ou recentemente submetidas a punções venosas e ou cirurgias da coluna. O principal sintoma é a dor aguda e persistente nas costas, associada ou não a febre. O tratamento envolve o uso de antibióticos por tempo prolongado e obtenção de material por punção ou cirurgia convencional para identificação do agente.

Espondilolistese

É o escorregamento da vertebra superior sobre a inferior, no sentido anterior, lateral ou posterior. Ela é causada por alterações nas articulações ou estruturas que promovem a estabilização das vertebras. A pessoa pode nascer com esse defeito ou adquirir durante a vida em decorrência de traumas, cirurgias, infecções, tumores ou do próprio envelhecimento. O tratamento irá depender da presença de sintomas (usualmente dor irradiada para a perna), da etiologia, do grau de escorregamento, da progressão e das condições do paciente. Muitos casos não requerem tratamento cirúrgico, porém a avaliação de um especialista é sempre necessária.

Estenose de arqueduto

O arqueduto cerebral é um pequeno canal por onde o liquor circula após a sua produção nos ventrículos no interior do cérebro. Como a produção é continua, o volume do liquor depende da sua reabsorção que ocorre em um local diferente e distante da sua produção. Nessa anormalidade o liquor não consegue chegar ao local onde ele é reabsorvido devido ao estreitamento desse canal e se acumula gerando a hidrocefalia. A criança geralmente nasce com esse defeito, mas ele também pode ser adquirido após processos inflamatórios ou infecciosos. O tratamento envolve o restabelecimento do fluxo do liquor com o uso de endoscópio ou com a colocação de válvulas para retirar o liquido acumulado.

Fistula liquórica

A fístula liquórica é uma condição na qual ocorre um vazamento do liquor para o meio externo, frequentemente através do nariz, orelha, orofaringe ou feridas operatórias. Ocorrem após traumatismos no crânio, cirurgias, infecções, tumores e raramente são espontâneas ou sem causas aparentes. Os sintomas mais frequentes são a dor de cabeça e os vômitos que pioram quando a pessoa fica em pé. Pode ocorrer saída de um líquido incolor, transparente e salgado pelo nariz, orelha e garganta quando a pessoa faz esforços físicos. A complicação mais grave é a meningite. Quando a saída de liquor é constante ou em grande volume o tratamento requer a identificação do local do vazamento e o seu fechamento. O tratamento pode ser com endoscópio ou com cirurgia convencional, dependendo de cada caso.

Fratura da coluna vertebral

Fraturas espontâneas da coluna vertebral são raras e nesses casos deve-se procurar uma causa subjacente para a perda da resistência óssea como a osteoporose, tumores, infecções, cistos ósseos ou malformações vasculares. Em geral são causadas por traumatismos ocorridos em quedas, acidentes de trânsito, agressões ou atividades esportivas. O principal sintoma é a dor no local fraturado em repouso e que piora com a movimentação ou a posição em pé. Se houver compressão de estruturas nervosas a dor pode irradiar e ocorrer perda de sensibilidade, movimentos ou controle do controle da urina e das fezes. Em qualquer situação que houver a possibilidade de ter ocorrido uma fratura na coluna a pessoa deve ser mantida imóvel, deitada e em posição neutra. O socorro especializado para imobilização e transporte deve ser acionado e um especialista sempre deve ser consultado. O tratamento irá depender do tipo, do local e da estabilidade da coluna. Pode envolver a realização de cirurgia e o uso de próteses. As fraturas da coluna são lesões extremamente graves e nunca devem ser manipuladas por pessoas não qualificadas.

Fratura da coluna vertebral associada à osteoporose

Nessa situação a vertebra perde a resistência e solidez devido à perda de cálcio e porosidade do osso. São comuns as fraturas após pequenos esforços e traumatismos como tossir, mudar de posição, pequenas quedas ou simplesmente ficar em pé. A perda da massa óssea pode estar associada ao envelhecimento, imobilidade, uso de anti-inflamatórios esteroides, tabagismo, carências nutricionais, doenças endócrinas, alterações hormonais, insuficiência renal e baixa exposição ao sol. Hábitos alimentares saudáveis, atividade física, interrupção do tabagismo, ingestão de cálcio adequada e uso de alguns inibidores da reabsorção óssea podem prevenir o problema. Raramente essas fraturas necessitam de tratamento cirúrgico, entretanto em alguns casos é a única opção para aliviar a dor, manter a estabilidade da coluna e as funções neurológicas.

Glioma

Gliomas são tumores do cérebro e da medula formados por células chamadas gliais existentes no tecido nervoso que perderam o controle da divisão celular. Os subtipos mais frequentes são os astrocitomas, o glioblastoma multiforme, o oligodendoglioma e o ependimoma. Eles podem são classificados em alto grau ou baixo grau, de acordo com a velocidade de crescimento, agressividade, tendência a disseminar e recidivar. Os tumores de alto grau são extremamente malignos, incuráveis e com tempo de sobrevida curto. Os tumores do sistema nervoso requerem análise laboratorial extremamente especializada para o estabelecimento do diagnóstico e tratamento adequados. O material pode ser obtido por biópsia ou preferencialmente pela ressecção cirúrgica do tumor. Os diagnósticos incorretos não são infrequentes e a análise deve incluir a pesquisa de alterações genéticas e moleculares.

Gliomas de baixo grau

São os gliomas que tendem a crescer mais lentamente e ficar localizados no local de origem. Apesar desse comportamento mais benigno, com o passar do tempo eles podem sofrer transformação maligna e se alastrar rapidamente. O sintoma mais frequente é a ocorrência de crises epilépticas. A dor de cabeça e os déficits neurológicos são raros no momento do diagnóstico. O tratamento de escolha é a remoção cirúrgica do máximo volume de tumor possível sem causar sequelas. Essa remoção permite o diagnóstico correto, a avaliação das alterações genéticas e o estabelecimento do prognóstico. Além disso, a cirurgia evita a transformação maligna e a analise do material orienta a necessidade de outros tratamentos como a quimioterapia e a radioterapia.

Glioblastoma multiforme

É um tipo de glioma de alto grau muito agressivo que tende a crescer rapidamente, alastrar-se pelo cérebro e voltar a crescer rapidamente após a sua remoção. Surgem após a perda do controle da divisão celular das células do tecido nervoso ou da transformação maligna de um glioma de baixo grau. Nos dois casos a causa é o acúmulo de mutações genéticas e alterações moleculares específicas. Os sintomas mais frequentes são a dor de cabeça, as crises convulsivas e a alteração do comportamento. Sempre que possível o tratamento recomendado é a remoção cirúrgica do tumor associada à radioterapia e a quimioterapia.




Hérnia de disco e protusão discal

O disco intervertebral é uma estrutura cartilaginosa localizada entre dois corpos vertebrais que serve para distribuir a carga de peso, amortecer impactos e dar mobilidade a coluna. A hérnia de disco ocorre quando parte do disco (ou ele todo) se fragmenta e deixa o seu local natural. A protusão do disco ocorre quando o disco fica abaulado e bojudo, porém contido no seu lugar. As duas situações são causadas pelo envelhecimento e desgaste do disco e das estruturas que o mantem no lugar. Os sintomas mais frequentes são a dor local e a dor irradiada para o braço ou a perna, dependendo do local acometido. Os fatores de risco mais importantes são o envelhecimento, a obesidade, o tabagismo e a exposição a estressores ergonômicos (atividades que envolvem excesso de força principalmente com a coluna curvada, vibração e impacto). O tratamento envolve repouso por curto espaço de tempo, o uso de medicações analgésicas e em alguns casos a ressecção cirúrgica do fragmento do disco herniado. A atividade física e as mudanças de hábitos são sempre recomendadas. *90% dos casos melhoram em 6 semanas sem cirurgia.

Hemangioma do corpo vertebral

É uma lesão benigna da coluna formada por uma proliferação de vasos sanguíneos. Na maioria das vezes é assintomática e não requer tratamento. Em alguns casos pode gerar dor localizada ou fraturas devido à perda de massa óssea no local. Quando requer tratamento (sintomáticos) as opções são a radioterapia, a vertebroplastia, a embolização ou a ressecção cirúrgica com reconstrução da estrutura. A escolha da técnica requer a avaliação criteriosa de cada caso.

Hematoma subdural

É a ocorrência de sangramento no espaço existente entre o cérebro e a membrana que o protege (duramáter). Na maioria dos casos a origem é traumática e os sintomas se iniciam algumas horas ou dias após o evento. Alguns casos podem estar associados a doenças hemorrágicas ou uso de anticoagulantes. O sintoma mais frequente é a dor de cabeça e a alteração de comportamento. O tratamento na maioria das vezes é cirúrgico para a remoção do hematoma.

Hematoma subdural crônico

Nesse caso os sintomas se iniciam vários dias ou meses após a ocorrência de pequenos traumas. Comumente o sangue já está totalmente degradado dando lugar a uma coleção líquida escurecida que aumenta a pressão dentro do crânio e comprime as estruturas nervosas. Ocorrem mais em pessoas idosas, alcoólatras ou com atrofia cerebral. Os sintomas mais frequentes são a dor de cabeça, a alteração do comportamento e o prejuízo das funções cognitivas. Pode ser confundido com demência e o tratamento é geralmente cirúrgico.

Hematoma extradural

É um sangramento com a formação de um coagulo entre a membrana que envolve o cérebro (dura-máter) e os ossos do crânio, geralmente devido à lesão de artérias após fraturas. Os sintomas mais característicos são a dor de cabeça, os vômitos, a alteração de comportamento e a alteração da consciência (sonolência e coma) que ocorrem algumas horas após um traumatismo no crânio. O tratamento é sempre cirúrgico é deve ser realizado com urgência para evitar a morte.

Hematoma intra-parenquimatoso

É a ocorrência de um sangramento e a formação de um coágulo dentro do cérebro. Os sintomas dependem do local acometido, porem são frequentes a dor de cabeça súbita com vômitos e alteração da consciência seguidos de déficits neurológicos progressivos (dificuldade de fala e movimentos). São causados por hipertensão arterial, aneurismas, malformações vasculares, tumores e uso de anticoagulantes ou antiagregantes plaquetários. O tratamento depende da causa, do volume do hematoma e do estado neurológico da pessoa acometida. Muitas vezes, é necessária a remoção cirúrgica do hematoma para diminuir a pressão intracraniana e prevenir a morte.

Hidrocefalia

É o acúmulo do líquido que envolve todo o sistema nervoso central chamado de liquor. Ele pode ocorrer por prejuízo da sua circulação ou da sua absorção em doenças congênitas, infecciosas, inflamatórias ou hemorrágicas. Quando ocorre em crianças cuja moleira ou os locais de crescimento do crânio ainda estão abertos causam aumento do tamanho da cabeça e prejuízo do desenvolvimento neuropsicomotor. Nas crianças maiores e nos adultos os sintomas mais frequentes são a dor de cabeça acompanhada de náuseas, vômitos, alterações no comportamento e alteração da consciência. Em idosos o seu desenvolvimento pode ser mais indolente e se manifestar por dificuldades na deambulação, alterações cognitivas e incontinência urinária. O tratamento cirúrgico e as técnicas a serem utilizadas dependem da avaliação individual, mas envolve o restabelecimento do fluxo liquorico utilizando um endoscópio ou a colocação de uma válvula para drenagem do liquido em excesso.

Hidrocefalia de pressão normal ou Síndrome de Hakin Adans

É um caso de demência tratável cirurgicamente em que a perda cognitiva está associada à dilatação dos ventrículos cerebrais e ao acúmulo de liquor sem o aumento da pressão intra-craniana. Ocorre mais em idosos e classicamente é acompanhada de dificuldade da marcha e incontinência urinária. Não existe um teste diagnóstico 100% eficaz, porém o quadro clínico, os exames de imagem e a retirada do liquor podem prever a resposta ao tratamento cirúrgico, mais frequentemente realizado com a colocação de uma válvula para retira o líquido em excesso.

Hipertensão intra-craniana

Ocorre quando a pressão dentro do crânio está aumentada. Ela pode estar associada ao inchaço cerebral em traumatismos graves do crânio, a presença de sangramentos, tumores, processos infecciosos, diminuição da oferta de sangue ou glicose, distúrbios hidroeletrolíticos ou raramente sem causa aparente. É uma condição extremamente grave que deve ser prontamente tratada para evitar alterações cognitivas, cegueira (por compressão do nervo óptico) ou a morte. O tratamento pode requerer a monitorização da pressão, do metabolismo e da circulação cerebral. Em casos extremos, para o controle adequado da pressão é necessário o tratamento cirúrgico.




Lombalgia

As dores na região lombar e dorsal são sintomas frequentes que, na maioria das vezes, refletem problemas mecânicos relacionados a esforços físicos em atividades domésticas ou profissionais, postura inadequada, imobilidade, falta de condicionamento físico ou o envelhecimento. Nesses casos, o diagnóstico adequado e a orientação correta são fundamentais para o alívio dos sintomas e prevenção de complicações. Um especialista deve ser consultado especialmente se houver história de traumatismos, febre, perda de peso, câncer, osteoporose, diminuição de força ou sensibilidade. A maioria dos casos não requer um tratamento cirúrgico.

Lesão axonal difusa

É uma condição extremamente grave na qual ocorre a ruptura dos axônios dos neurônios e a interrupção das conexões com o córtex cerebral em traumas de crânio com alta força de impacto e rotacional. A principal característica é a perda de consciência por tempo prolongado (coma) seguida de sequelas motoras e cognitivas após o despertar. Geralmente não há aumento da pressão intracraniana ou necessidade de tratamento cirúrgico. A reabilitação neurológica deve ser iniciada precocemente.

Lesão na medula

A lesão na medula causa a interrupção parcial ou total da comunicação entre o cérebro e o corpo abaixo do nível da lesão. Pode ser causada por traumatismos, fraturas, ferimentos por arma de fogo ou branca, acidentes vasculares, doenças infecciosas, inflamatórias ou tumores. Os sintomas mais frequentes são a perda de movimentos e sensibilidade, perda do controle dos esfíncteres e em alguns casos a dor. Com o passar do tempo e em resposta ao tratamento, pode haver recuperação total ou parcial das funções ou ocorrência de sequelas definitivas. Alguns casos também podem evoluir com contraturas musculares e movimentos involuntários. A reabilitação é sempre necessária e deve ser precoce. Os tratamentos cirúrgicos podem ser necessários em qualquer fase da doença com objetivos distintos. As técnicas e os procedimentos utilizados dependem da avaliação criteriosa de cada caso.

Mielopatia espondilítica

É o comprometimento da estrutura e função da medula espinhal por compressão direta ou alterações vasculares associadas processos degenerativas da coluna vertebral, especialmente o canal estreito. Nessa situação pode ocorrer dificuldade para deambulação, rigidez, alterações da sensibilidade e no controle dos esfíncteres. Geralmente a sua presença indica necessidade de tratamento cirúrgico.

Osteomielite do crânio ou da coluna vertebral

Trata-se da infecção dos ossos do crânio ou das vertebras que pode ocorrer juntamente com os abcessos epidurais ou cerebrais, a discite, após traumatismos ou infecções de feridas operatórias. Raramente ocorre após punções venosas ou resulta da disseminação pelo sangue de uma infecção de outro local. Os idosos, diabéticos, usuários de drogas e alcoólatras, pessoas debilitadas e ou com a imunidade comprometida são as pessoas mais susceptíveis. O tratamento requer o uso de antibióticos por várias semanas, punção e ou cirurgia para limpeza e identificação do micro-organismo.

Síndrome de Arnold-Chiari

É um tipo de malformação que ocorre na base do crânio, junto a coluna cervical, onde parte do cerebelo se projeta através da abertura que comunica o crânio com a coluna vertebral (forame magno) comprimindo estruturas nervosas ou obstruindo a circulação do liquor. Os casos graves podem causar dor de cabeça, dificuldade para engolir, respirar e falar e usualmente requerem tratamento cirúrgico.

Sindrome de klippel-Feil

É uma fusão congênita de pelo menos duas vertebras cervicais. Na maioria das vezes é assintomática e não requer tratamento. Algumas vezes pode ser causa de desalinhamento grave da coluna e problemas mecânicos com dor. Nesses casos e quando há fratura com instabilidade da coluna o tratamento cirúrgico está indicado.

Endereço

Rua Itacolomi, n° 333, conjunto 52,
São Paulo – S.P.
CEP: 01238-020

Contato

Telefone: (11) 3257-9066
Fone fax: (11) 3258-5974
hpicarelli@gmail.com

Particulares e Covênios